Carrinho de compras

Nenhum produto no carrinho.

Black Stockings

A equipe que desafiou o regime pelo futebol

A corte de Kasımpaşa estava disposta a ser dura no julgamento de Fuad Hüsnü Bey [Bey é um título em turco equivalente ao “Mister”. No caso, substituiu o sobrenome Kayacan], aluno do colégio naval de Istambul, em 1901. Os militares não aprovavam que o jovem e amigos dele, todos turcos muçulmanos, estivessem usando shorts, em violação ao código islâmico. Esta parcela de otomanos acreditava que correr atrás de uma bola era um jeito desprezível de se comportar, afinal, a prática do futebol era associada às minorias do Império, como os gregos, judeus, armênios e ingleses. Fora o preconceito, havia também uma questão religiosa: o neto do profeta Maomé, Husayn Ibn Ali — que morreu na Batalha de Karbala, no ano de 680 — foi decapitado e a cabeça dele foi chutada tal como uma bola, como relata Dağhan Irak, em sua tese The Transformation of Football Fandom since the 1970s, publicado em 2010 pela Boğaziçi University. Ainda assim, Hüsnü Bey saiu da audiência com uma punição leve, provavelmente por ser filho do Almirante Hüseyin Hüsnü Paşa, então Ministro da Guerra.

O motivo do julgamento, afinal? Hüsnü criou o primeiro time de futebol para os turcos, o Black Stockings. O esporte foi levado ao Império Turco-Otomano no fim do século XIX pelos britânicos — tais quais soldados, expatriados e mercadores de tabaco e algodão — que atracavam aos montes nas regiões portuárias de Izmir e Alexandria. Os gregos adoraram o novo esporte, tanto é que a primeira partida realizada na região foi em Tessalônica, em 1875. O rigor do regime de Abdulhamid II, porém, proibiu o futebol para os muçulmanos, por receio de interferência familiar e da possibilidade de doutrinação coletiva, ao mesmo tempo em que as comunidades judaicas e armênias tentavam aprendê-lo com os ingleses.

O futebol, de fato, era mais uma das atividades de recreação rechaçadas pelo sultão. Em 1896, o governo da Anatólia organizou os Jogos Panionios, uma competição nos moldes das Olimpíadas, com o intuito de reunir atletas no Oeste do Império. Do mesmo modo, Izmir recebia um campeonato parecido, os Jogos Apolonios, a partir de 1904, atraindo participantes de Istambul e Grécia. Jamais, porém, um turco participara desses torneios, pois a influência hamadiana os afastava legalmente de qualquer esporte — ainda que as competições fossem organizadas sob supervisão do governador de Izmir, Kâmil Pasha.

No Império, o futebol era consumido pela elite turca-otomana, uma vez que havia a necessidade de contatos britânicos e conhecimento da língua estrangeira. A cidade, voltada para a agricultura, tinha uma aristocracia virtualmente inexistente — alguns alunos turcos da Izmir American College tentaram jogar e foram suspensos pela pressão de oficiais locais. O esporte foi disseminado pelo território anatólico quando os ingleses migraram para os distritos de Kadıköy e Moda, em Istambul, a partir de 1895 — a História credita Horace Armitage e os irmãos James e Edward Lafontaine —, mas o ponto-chave para a participação dos muçulmanos no futebol turco, de acordo com pesquisadores, foi o encontro entre Hüsnü Bey e Reşat Danyal Bey.

Hüsnü fora presenteado por um colega britânico com uma bola e a estava chutando contra um muro. O amigo, então, perguntou-lhe se queria quebrar a parede, ouvindo como resposta que Hüsnü queria mesmo era deixar os gregos comendo grama. A conversa entre os rapazes sedimentou o crescimento do futebol na Turquia e marcou a fundação do primeiro time de muçulmanos: o secreto Black Stockings — em inglês, para não chamar a atenção do governo. A dupla encontrou outros compatriotas com interesses similares e começaram a se reunir no café Hurşit Ağa.

Em outubro de 1901, no dia 26, eles deixaram o segredo de lado para jogar um amistoso. A partida disputada no Papazın Çayırı, antigo nome do estádio do Fenerbahçe, colocava os rapazes frente a frente com um selecionado grego. Todos os amigos estavam em campo: Danyal Bey, Kemal Nuri Bey, Fahri Bey, Nureddin Bey, Emcet Bey, Şevki Bey, Hafiz Mehmed, Hafiz Mustafa. Hüsnü Bey marcou o gol solitário na derrota de 5 a 1, mas o jogo não terminou com o apito final. Abdulhamid II havia criado uma rede de espiões e, entre eles, estava o jornalista Hafiye Şamil, que soube dos burburinhos e coordenou uma investida durante a partida. Assim, o tumulto e a correria se instalaram quando a polícia atacou os jogadores, levando a maioria das pessoas sob custódia — exceto o filho do Almirante que, quando reconhecido pelos oficiais, foi enviado ao júri militar.

Hüsnü Bey ficou um ano sem jogar bola. Em 1902, o seu caminho se cruzou com o de James Lafontaine e com ele o turco conseguiu uma vaga para atuar no Cadi-Keuy Football Club, precisando, contudo, para fugir das sanções do regime, utilizar o nome falso “Bobby”. A criação da Liga de Constantinopla, em 1904, e as reformas modernistas do “Segundo Período Central” do Império Turco-Otomano contribuíram similarmente para a entrada e permanência dos muçulmanos no esporte, como explica Yağmur Nuhrat em sua dissertação de doutorado, intitulada “Fair enough? Negotiating ethics in Turkish football”, publicada pela Boğaziçi University em 2013. O futebol também foi fator determinante da expansão dos clubes turcos, como Galatasaray e Fenerbahçe, para outras praças — entre as exceções, a principal é o Beşiktaş, que se expandiu através da ginástica.

Em campo, o fundador do Black Stockings foi condecorado com cinco títulos nacionais, entre 1905 e 1908: dois pelo Cadi-Keuy e os outros pelo Galatasaray, jogando ao lado de Horace Armitage. O Galata Sarayı Efendileri [Lordes do Palácio Galata, em tradução literal], inclusive, foi fundado com a ajuda do inglês Armitage, responsável por ensinar os princípios do jogo aos alunos do Liceu de Galatasaray, formando o primeiro time com turcos a entrar na liga, em 1906/07 e, com a aproximação do fim da era Hamadiana — Abdulhamid II foi deposto em 1909 — e o distanciamento da elite com o nacionalismo, a equipe não sofreu tanta pressão do governo.

O Gala nasceu em meio às conversas dos alunos do 10º ano durante as aulas de literatura, em 1905. Ali Sami Yen contou aos amigos sobre um esporte novo que tinha conhecido ao visitar um tio em Moda. O futuro presidente foi o membro nº 1 do clube, seguido por Asım Tevfik Sonumut, Emin Bülent Serdaroğlu, Celal Ibrahim, Boris Nikolov, os irmãos Milo e Pol Bakić, Bekir Sıtkı Bircan, entre outros. O objetivo do fundador era “jogar em grupo, como ingleses, ter cores, nome e vencer equipes não-turcas”. Enquanto isso, de forma semelhante, otomanos de Kadıköy se interessaram em montar um agrupamento. Os jovens da região o chamaram de Fenerbahçe e escolheram as cores amarela e branca para o uniforme, em menção aos narcisos que enfeitavam o entorno do farol marítimo do bairro.

Como supracitado, o Beşiktaş foi a exceção da classe. O clube, fundado em 1903, cresceu ao redor da ginástica, levantamento de peso, boxe e esgrima. O futebol teve seu núcleo formado a partir de 1911, quando os atletas começaram a se interessar pelo jogo. Dois times ajudaram nesse processo: Valideçeşme, que teve todos os jogadores levados para o Beşiktaş pelo fundador e presidente Ahmet Şerafettin Bey; e o Basiret. A proposta do dirigente era juntar os times da região em um só lugar. No pós-guerra, os Águias Negras entraram na recém-criada Turkish Training Union League, em 1919/20, para ganhar o primeiro troféu. A competição de Istambul foi reativada em 1923 para, enfim, juntar o trio de ferro de forma inédita.

Hüsnü Bey só não teve influência direta na consolidação do Beşiktaş. Em 1912, viajou à Inglaterra para treinar com clubes da terceira divisão e retornou ao Império durante a Primeira Guerra para achar Ali Sami solitário no Gala – todos os amigos deles estavam batalhando em Jerusalém, Bagdá, Galípoli, Kenal e Çanakkale. Nesta volta, o filho do Almirante comandou a equipe do Fenerbahçe entre 1915 e 1921, ano seguinte à saída do irmão mais novo, Hamit Hüsnü Kayacan, da presidência. Ainda fez parte do corpo administrativo dos rivais Leões, em 1951, e recebeu medalha por serviços prestados ao Galatasaray cinco anos depois, tornando-se membro honorário do clube, conforme matéria do Gayin-sin, em 2009.

Ainda que Selim Sırrı Tarcan — profissional de educação física que levou a ginástica da Suécia aos otomanos e participou de uma pelada com os britânicos em 1898, em Izmir — seja mencionado como o primeiro turco a jogar bola, Hüsnü Bey foi o futebolista pioneiro. O seu Black Stockings durou somente alguns minutos em campo, mas a sua atitude desafiadora pavimentou o caminho do futebol na Turquia.

Deixe seu comentário