Carrinho de compras

Nenhum produto no carrinho.

De Eerste

O primeiro campeão continental europeu foi holandês (?)

Quando se olha para os campeões da Champions League, é comum — e correto — afirmar que o primeiro vencedor holandês foi o Feyenoord, em 1970, cujo título colocou o clube de Roterdã diante do Estudiantes de La Plata na disputa da antiga Copa Intercontinental. Segundo relatos, esse confronto foi fundamental para que Rinus Michels, treinador do arquirrival Ajax, de Amsterdã, incorporasse às suas idéias de jogo algumas revoluções implementadas por Osvaldo Zubeldía, o comandante Pincharrata, como o a linha de impedimento e a pressão na saída de bola daquele time que contava com Juan Ramón Verón, Carlos Bilardo e companhia. Mas essa é outra história. Muito antes do Feyenoord conquistar a principal competição de clubes da UEFA, houve um clube holandês que venceu a primeira competição internacional.

O futebol saiu do Reino Unido em barcos e chegou a outras nações pelos portos e pelas linhas férreas construídas pelos próprios britânicos em todo o mundo no fim do século XIX. Apesar da modalidade ser originalmente de elite, há uma relação inversa nas colônias inglesas com relação à modalidade que virou predominante com o passar dos tempos. Em todos os países que a Inglaterra, de fato, colonizou, nenhum deles tem o Football Association como principal esporte. Já aqueles com os quais o Reino Unido desenvolveu relações comerciais, a maioria tem o futebol como modalidade mais popular.

A Holanda, ou, mais precisamente, os Países Baixos, dispõe de dois grandes portos: Amsterdã e Roterdã, com destaque para o segundo. Aliás, a capital fica na província da Holanda do Norte e Roterdã, na Holanda do Sul, e, por serem as duas cidades mais populosas e mais importantes, acabaram fazendo prevalecer as suas respectivas regiões na denominação do país: Holanda. Inclusive, os “holandeses” chamam o país de Holanda e internamente não há unanimidade quanto à nomenclatura. De qualquer forma, o gentílico correto passou a ser “neerlandês” com a nova denominação de Países Baixos, e é do início do futebol organizado nesse lugar que se trata este artigo.

No dia 14 de novembro de 1887 nasceu um clube em Amsterdã derivado de três agremiações de cricket: R.U.N., Amstels e Progress. E foram desses três nomes que tiraram as iniciais do R.A.P. Amsterdam.

No início do ano seguinte, em 1888, foi disputado o primeiro campeonato de que se tem registro na Holanda. Sete clubes participaram do certame. Com uma estrutura bem rudimentar, o torneio teve como campeão declarado o Concordia, de Roterdã, mas dadas as circunstâncias, o título não foi considerado oficial. Os participantes não jogaram o mesmo número de partidas.

Há, inclusive, inconsistências nas informações. Os poucos registros em jornais apontam que os clubes ficaram meses sem jogar até que retomaram as atividades, disputando partidas de Cricket. A precariedade de então era normal para um futebol incipiente, muito distante da realidade inglesa com um desporto já desenvolvido e popular.

Enquanto isso, os portos mais importantes de cada Holanda já começavam a extrapolar a rivalidade comercial para o futebol numa inevitável competição das elites econômicas locais. O esporte bretão ainda estava longe de se popularizar massivamente, mas já conquistava a alta sociedade em todo o continente europeu.

É nesse continente fértil para a disseminação e prática da modalidade que se iniciou o segundo campeonato neerlandês, em 1889/90, com sete clubes novamente. O campeonato teve o Koninklijke HFC como campeão, mas, novamente, como a falta de estrutura impediu que todos os participantes jogassem o mesmo número de jogos, o caráter não oficial para os registros foi mantido.

Esse torneio se tornaria mais adiante o módulo Oeste, já que incluía clubes apenas dessa região do país. Mas somente em 1898 — na décima edição daquilo que pode ser chamado de Campeonato Holandês — haveria a disputa entre leste e oeste. No ano anterior, aconteceu pela primeira vez o campeonato do Leste, chamado pelo seu nome em holandês: Oost.

As demais regiões só teriam suas disputas anos depois: o Sul em 1913/14 e o Norte em 1916/17. 

Na temporada 1923/24, passou a existir um segundo grupo do campeonato do Oeste, que contemplava as duas principais cidades e regiões do País: Amsterdã (Holanda do Norte) e Roterdã (Holanda do Sul). Mais de duas décadas depois, a partir de 1945/46, uma segunda chave do Sul também passou a ser disputada, que abrangia a cidade de Eindhoven. O Campeonato Holandês foi jogado em nível amador até 1954, e só a partir de 1956 é que foi introduzida a Eredivisie (em português, Divisão Honorária), que passou a reunir todos os clubes em uma só liga unificada, com diferentes divisões.

Contudo, voltando para o fim do século XIX, precisamente para a temporada 1897/98, o futebol holandês pôde finalmente ter seu campeão oficial. Isso coincidiu com o simples fato já citado, não só com a disputa de duas regiões (Leste e Oeste), mas, sobretudo, com o enfrentamento dos respectivos campeões para definir o título nacional. Os vencedores de cada lado do país foram R.A.P. e Vitesse, os mesmos da temporada anterior. O R.A.P. venceu, então, o Vitesse e pôde ser proclamado campeão neerlandês de maneira incontestável. Apesar de ser seu quarto título, que além do ano anterior também conquistara as edições das temporadas 1891/92 e 1893/94, este último foi o primeiro oficialmente reconhecido.

O futebol na Europa efervescia. O fim do século XIX foi o esplendor do surgimento da modalidade como fenômeno entre as elites, apesar de, timidamente, começar a despertar o interesse da classe operária.

Em 1897, no Império Austro-Húngaro, surgiu a primeira competição com ambições internacionais: a Der Challenge Cup, que teve suas três primeiras edições disputadas somente com times de Viena, como descreve impecavelmente Miguel Lourenço Pereira no livro “Noites Européias”, lançado pela Corner em 2018. A partir da temporada 1900/01, o torneio aceitou clubes de Praga e, na edição seguinte, agremiações de Budapeste.

No entanto, a primeira competição a contar com clubes de países diferentes foi a Challenge Cup du Nord, como diz o nome, ao norte da Europa.

A primeira edição ocorreu em 1898, e contava com clubes franceses e belgas. Os da França eram praticamente todos da região de Lille, que faz fronteira com a Bélgica, exceto o Le Havre, que fica a trezentos quilômetros de Lille. Do outro lado vinham três de Bruxelas — incluindo o Racing, equipe campeã de 1897 — e um de Bruges, localizada a 98 quilômetros da capital belga.

O futebol se desenvolvia rudimentarmente em todo o continente e as idéias de competições internacionais começavam a despontar na Europa.

Além da oficialização do Campeonato Holandês na temporada 1897/98, outras competições nacionais também se formavam. Na vizinha Bélgica, desde a temporada 1895/96 era disputado o certame doméstico. Na Suíça, o Grasshopper foi o primeiro campeão das terras helvéticas na mesma temporada em que os Países Baixos tinham seu primeiro campeão oficial. Na Itália, o Genoa conquistou a primeira taça do calcio também em 1898.

Antes disso, em 1894, um campeonato começou a ser disputado na França, somente com times de Paris, aquilo que ficou conhecido como Championnat de France. Era organizado pela Union des Sociétés Françaises de Sports Athlétiques (USFSA), órgão criado em 1887 para difundir o atletismo.

Em 1889, a USFSA incluiu sob sua organização outros esportes como rúgbi, hóquei de grama, turfe, esgrima e natação. O futebol foi incluído exatamente em 1894, ano daquele primeiro campeonato “francês”, e teve o Standard Athletic como campeão da edição inaugural. A partir de 1895, outros torneios de diferentes regiões começaram a surgir, como no sudoeste, com o Stade Bordelais como vencedor e o Sport Athlétique Bordelais como vice.

Em 1897, a Fédération des Sociétés Athlétiques Professionnelles de France (FSAF) organizou um campeonato paralelo ao da USFSA, cujo primeiro campeão, já no ano seguinte, foi o Union des Sports de France. No mesmo período, o Iris Clube Lillois, de Lille, foi campeão da região Norte, enquanto o vice-campeonato ficou com o Racing Club de Roubaix, da região metropolitana da mesma cidade.

Com os campeonatos da França e da Bélgica se consolidando, a proximidade de Lille com Bruxelas “forçou” a criação da já citada Challenge Cup du Nord em 1898, que contava com a participação de clubes franceses e belgas. A Holanda, que solidificava sua competição nacional, não tinha ainda como duelar internacionalmente.

E partiu da aristocracia belga a iniciativa de colocar frente a frente os campeões das ligas emergentes naquela virada de século. Em 1900, o conde Van der Straten-Ponthoz resolveu promover a realização daquela que seria a primeira competição a contar com clubes de três países diferentes: Bélgica, Holanda e Suíça.

O site RSSSF.com sugere que essa competição tenha determinado o primeiro campeão continental europeu. Ela aconteceu em Bruxelas e, por contar com os vencedores de três ligas europeias diferentes, os jornais da época chamaram o certame de “Campeonato Continental”.

O torneio foi jogado em abril de 1900 e teve como campeão o R.A.P. Amsterdam, que venceu na primeira fase o Racing, de Bruxelas, por 2 a 1. Na semifinal, foi a vez de duelar com o campeão suíço, Grasshopper: vitória por 3 a 2. Na partida decisiva, mais um triunfo, 2 a 1, contra o conterrâneo H.V.V., de Haia, vice-campeão neerlandês do ano anterior e campeão da atual temporada. O R.A.P levantou, assim, o troféu da primeira edição da Copa Van der Straten-Ponthoz.

A competição só teria clubes belgas e holandeses na segunda edição, em 1901, mas, a partir de 1902, clubes amadores ingleses também entraram na embrionária disputa continental, que duraria até 1907. Neste ano, o Union Saint-Gilloise venceria o troféu pela terceira vez e ficaria com a taça em definitivo.

Ela foi então substituída pela Copa Jean Dupuich, nome de um ex-jogador do Léopold Club, de Bruxelas. O troféu foi doado pelo pai de Jean, Adolphe Dupuich, em memória de seu filho, que morreu, inesperadamente, em 1906.

A primeira edição da Copa Jean Dupuich, em 1908, contou com times da Inglaterra, Bélgica, França, Alemanha e Holanda e teve como campeão justamente o Union Saint Gilloise, que ainda ganharia mais três taças entre 1912 e 1914, além da derradeira edição em 1925.

O Union Saint Gilloise foi uma espécie de Real Madrid antes da Champions League surgir. O clube acumulou onze títulos de competições internacionais até 1925: três Copas Van der Straten-Ponthoz, cinco Taças Jean Dupuich e três Copas Challenge Cup du Nord.

De volta ao futebol holandês, o R.A.P., que conquistou três títulos nacionais antes da oficialização do futebol no país (1891/92, 1893/94 e 1896/97), os dois primeiros campeonatos oficiais (1897/98 e 1898/99) e o primeiro título continental, viveu um declínio esportivo nos anos seguintes e se manteve ativo até 1914, quando se fundiu com o Volharding, também em fase descendente.

As duas instituições deram origem ao V.R.A. Amsterdam (Volharding RAP Amstels), que esteve ativo por mais alguns anos. Contudo, acabaria deixando os gramados de futebol e passaria a bater bolas nos relvados de cricket para sempre, tornando-se um dos clubes mais vencedores do país na modalidade, e honrando a origem gloriosa daquele que foi o primeiro campeão europeu de futebol.

Jornalista, publicitário e fotógrafo. Estudou comunicação social na Universidad Nacional de La Plata. Para Martinho, não existe golaço de falta (nem aquele do Roberto Carlos em 1997 contra a França ou de Petković em 2001 contra o Vasco). Aos 11 anos, deixou o cabelo crescer por causa do Maldini. Boicota o acordo ortográfico.