Carrinho de compras

Nenhum produto no carrinho.

Het Genie

Johan Cruijff, a matriosca do futebol

Cruijff é, provavelmente, a personalidade mais influente da história do futebol na Europa. O holandês causou um impacto que transcende muito além dos campos de jogo, sendo pioneiro na indústria do marketing, nos seguros esportivos de atletas, na relação comercial com a imprensa e na identidade midiática muito antes da era dos anúncios de televisão e das redes sociais. Só isso já teria sido suficiente para conseguir um lugar na história, mas nos relvados Cruijff foi um gênio, um dos melhores jogadores de todos os tempos. E foi também um treinador lendário, pai de uma equipe tão mítica que foi apelidada de Dream Team. 

No entanto, a vida de Cruijff está tão misturada com sua lenda que, às vezes, é difícil saber onde acaba uma e começa a outra. Cruijff ficou célebre pela camisa 14, mas usou-a muito menos vezes do que as pessoas pensam. É a epítome do futebolista romântico de outra época, um jogador que fingia lesões para evitar jogar partidas que não lhe interessavam, tanto pelos clubes como pela seleção. Sua aura de rebelde, com o cabelo comprido e a camisa larga, tornou-o um mito dos anos 1960 e 1970, mas, na realidade, Cruijff talvez tenha sido o jogador mais desconfiado, conservador e capitalista da história do futebol. 

Em termos atuais, Johan, como personalidade, foi sempre muito mais parecido com Neymar do que com Messi ou Cristiano Ronaldo. Na era das redes sociais dificilmente não teria sido odiado por milhões, mas o desconhecimento generalizado da sociedade o elevou à condição de estrela. Muitos olham para ele como referência de uma forma honesta de entender a herança histórica dos clubes por ter sido o baluarte de duas das formações mais míticas da Europa, o Ajax e o Barcelona. Poucos sabem que ele teve a ideia de comprar um clube para ser nomeado treinador e contratar os melhores jogadores da Holanda para pôr em prática as suas ideias, um projeto mais próximo da Red Bull de hoje do que do romantismo do passado. 

Como treinador, ficou famoso pelo modelo de jogo ofensivo, que apostava no talento individual e na formação, quando, na prática, Cruijff só tomava decisões por instinto. O ex-camisa 14 relegou ao banco de reservas jogadores de imenso talento porque tinha suspeitas sobre seu rendimento, e começou a carreira na Catalunha contratando vários veteranos da dura escola basca antes sequer de apostar na “cantera” blaugrana.

O famoso jogador holandês foi tantas coisas que essa confusão é habitual. Ele próprio alimentou essa lenda ao longo de sua vida, selecionando bem as entrevistas que concedia, trabalhando muito sua imagem midiática fora de campo. De qualquer forma, nada esconde que ele foi um pioneiro em múltiplos sentidos e um dos maiores artesãos do futebol. 

Em campo, foi um predestinado que revolucionou a história de um clube e de um país. Fora dele, ressuscitou do coma um gigante e, com ele, alimentou uma transformação que seguiu muito para além do seu tempo como treinador. Só o ego gigantesco e a obsessão pelo dinheiro o impediram de levar o seu amado país à glória máxima, o que teria sido, talvez, o auge de toda sua carreira, depois de ter ficado às portas do céu naquele mundial que o transformou num ícone global. 

Johan Cruijff é a essência do futebol e, como as matrioscas, faz parte de uma série de histórias dentro da história. Não se entende o jogador sem conhecer o menino órfão de família humilde e desejoso de encontrar uma figura paternal. Não se pode compreender o treinador de elite sem saber o impacto que teve nele a falência provocada por um homem que esteve a ponto de acabar com sua vida e seu casamento, e o levou aos Estados Unidos para reinventar-se.

O futebol na Europa está recheado de jogadores geniais e técnicos magníficos. Alguns deles foram, inclusive, ambos. Nenhum deles foi tão grande tanto dentro quanto fora de campo como Johan Cruijff. Pode ser que o ex-camisa 14 seja uma lenda dentro de tantas outras, mas a anatomia da sua vida merece ser conhecida muito para além da mitologia. A anatomia de um gênio.


Para saber mais, adquira o livro “Johan, a anatomia de um gênio” de Miguel Lourenço Pereira:

Jornalista e escritor. Autor dos livros “Noites Europeias”, “Sonhos Dourados” e “Toni Kroos: El Maestro Invisible”, “Sueños de la Euro” e “Johan: a anatomia de um gênio” Futebol e Política têm tudo a ver, basta conectar os pontos. O coração de menino ficou no minuto 93 da final de Barcelona. Estudou comunicação na Universidade do Porto.