Carrinho de compras

Nenhum produto no carrinho.

Het Kasteel

O estádio do clube mais antigo de Roterdã

Todos conhecem o principal clube de Roterdã. A cidade é famosa por ter o maior porto da Europa e o Feyenoord, primeiro campeão holandês da Copa dos Campeões Europeus. No entanto, vinte anos antes do Feyenoord nascer, o Sparta Rotterdam era fundado, precisamente em 1888.

O Sparta surgiu, como vários outros clubes da Holanda, das atividades e fusões entre agremiações de cricket no fim do século XIX, quando a modalidade concorria com o emergente esporte bretão. Já o Feyenoord nasceu em 1909, durante o esplendor do futebol no território holandês e continental.

Um ano depois da criação de seu rival, o Sparta conquistou seu primeiro título nacional, e enfileirou outros três entre 1911 e 1913. Os Spartanos venceram ainda outra taça nacional em 1915, enquanto seus vizinhos ainda davam os primeiros chutes a gol. O sexto título demoraria um pouco mais, sendo alcançado apenas na temporada de 1958, totalizando, assim, seis conquistas. 

Contudo, o crescimento do Feyenoord foi rápido, e o time conquistou o título da primeira divisão holandesa já em 1923/24. Com o passar dos anos vieram outras cinco taças: 1927/28, 1935/36, 1937/38, 1939/40 e 1960/61. A partir de então, a instituição começou a olhar pelo retrovisor o clube mais antigo da cidade, cada vez menor à medida que os anos passavam.

Além da Champions League de 1970, o Feyenoord ganhou duas Copas da UEFA: 1973/74 e 2002/03. Já o Sparta, contentou-se com três Copas da Holanda, conquistadas em 1958, 1962 e 1966. 

Nas duas décadas seguintes, o clube mais antigo da cidade se manteve sempre na parte alta da tabela de classificação. Mas, a partir de 1988, a situação começou a mudar. O Sparta tornou- se um clube de meio de tabela, contentando-se com um sexto lugar em 1996. Para piorar, no ano em que seu rival local conquistou o segundo título da Copa da UEFA, o rebaixamento veio para os Spartanos, permanecendo por três temporadas na segundona do campeonato holandês. Apesar do acesso em 2005, a permanência na Eredivisie durou só cinco temporadas, e a partir de 2011, o clube passou a oscilar entre a primeira e a segunda divisão nacional. 

No entanto, a fachada antiga de seu estádio segue intacta. O apelido Het Kasteel — ou “O Castelo”, em bom holandês — acompanha a arquitetura da construção, inaugurada em 1916 e projetada pelos arquitetos Herman de Roos e Willem Overeijnder.

O Het Kasteel conserva a estrutura do antigo estádio do bairro de Spangen que fica do lado norte do rio Novo Mosa (Nieuwe Maas, em holandês), que deriva do rio Reno e se conecta com o mar do Norte.

Os arquitetos do “castelo” original também são os responsáveis pelos projetos de outras três edificações que merecem destaque: o Kantoorgebouw Petrolea, em Haia, inaugurado em 1924 e que até 1987 foi sede da Esso no país; o Rotterdamsch Lyceum, em Roterdã, escola secundarista da cidade portuária mais importante da Europa; e o edifício residencial Mathenesserhof, na mesma cidade, que dispõe de 31 apartamentos.

Após a reforma, o estádio foi reinaugurado em 2000 num amistoso entre o Sparta e o Glasgow Rangers. A fachada, que se assemelha a um castelo, foi conservada, enquanto do outro lado, um outro momento arquitetônico é refletido num clube que ficou perdido entre o passado e o futuro.

Jornalista, publicitário e fotógrafo. Estudou comunicação social na Universidad Nacional de La Plata. Para Martinho, não existe golaço de falta (nem aquele do Roberto Carlos em 1997 contra a França ou de Petković em 2001 contra o Vasco). Aos 11 anos, deixou o cabelo crescer por causa do Maldini. Boicota o acordo ortográfico.